COLLAS: RETRATOS DE UMA CULTURA

Desenvolvido como projeto de Trabalho de Conclusão de Curso da Universidade Metodista de São Paulo pelo estudante de jornalismo e fotógrafo Arthur Fernandes, o projeto fotográfico sobre povos originários Colla é um trabalho desenvolvido para registrar povos de cultura nativa das regiões noroeste da Argentina e norte do Chile. 

OS POVOS COLLAS

Os Collas são originários da região onde mais tarde seria fundada a Bolívia, território que antes era chamado de Collasuyo, formaram parte do império Inca e migraram para o sul, se estabelecendo prioritariamente no noroeste argentino e no norte do Chile. Cobrindo parte do território sul de Atacama e de Salinas Grandes em Salta e Jujuy.

Vivem basicamente do plantil de diferentes tipos de batatas e milhos e da criação de lhamas, alpacas e ovelhas, porém com o crescimento do turismo e da mineração na região, aumentaram gradativamente seus trabalhos em empresas de mineração e como principal figura representativa das culturas nativas deste setor da cordilheira dos Andes.

Projeto Collas
Projeto Collas

Acompanhe nesta página, relatos e imagens do autor deste projeto, que passará por diferentes regiões até sua chegada às terras onde vivem os Collas e fará um retrato fotográfico da vida dessas comunidades, de sua relação com suas terras, sua religião, seus trabalhos e costumes.

Como herança do império Inca, os Collas, levam até hoje os seus costumes alimentícios, de transporte e trabalhos artesanais, porém, de forma mais dissolvida nos costumes que os imigrantes trouxeram da europa. 

Projeto Collas

Hoje, assim como outros povos aborígenes da América Latina, sofrem com a discriminação da sociedade hegemônica e com o abandono por parte de seus governantes. Vivendo de forma marginalizada em território mínimo de países que ocupam terras que antes eram inteiramente suas.

Serão meses de viagem para conhecer melhor esta cultura aborígene e retratar seus costumes, suas relações e histórias. 

 

Saindo da cidade de São Bernardo do Campo, SP, e viajando mais de 3000 km para chegar na região das cordilheiras, cruzando diferentes paisagens e culturas, e fazendo um relato fotográfico de todo o trajeto até os povos de cultura colla.

Foram quase 4000 km percorridos em 7 dias e chegamos a Cafayate, região próxima de onde vivem os povos de cultura Colla. Passamos por diferentes cidades, paisagens e culturas, uma variação enorme de todos os detalhes.

Imagens: Arthur Fernandes Photos / Trilha sonora: Renacer de amor - Los Manseros santiagueños

SAN SALVADOR DE JUJUY

Sentado no canto da praça da Catedral de San Salvador de Jujuy, Miguel Segundo Mendoza produz novas obras de arte enquanto turistas observam atentos aos detalhes e cores de cada peça que já esta nas prateleiras de sua exposição.

Ao ver nossa aproximação, fala orgulhoso dos prêmios nacionais e internacionais que já recebeu, e dos tantos países que ele e suas obras visitaram juntos. Mendoza é artesão de origem Colla, declarado embaixador cultural de Jujuy em 2009, pela Câmara de Turismo da Provincia.

Suas obras são extremamente detalhadas e coloridas, todas sobre os povos originários Colla, seus costumes, festas e relacionamentos. "São obras únicas, não existe uma só peça que seja igual à outra. As cores são feitas com as terras coloridas aqui da região", afirma enquanto se concentra em seu novo trabalho e suas folhas de coca enroladas e posicionadas no canto de sua boca. Após uma longa conversa sobre os costumes de sua cultura e sua relação com a arte, Miguel se despede com um sorriso no rosto e argila em suas mãos.

SALINAS GRANDES

Em uma manhã de sol, com a temperatura em torno dos 2°C a mais de 4000 metros de altitude, encontramos Marcos Valdiviez e sua família brincando em frente a uma casa de pedra na beira da estrada. Seus filhos, Nazareno e Huayra (que significa "vento" em Quechua, idioma nativo), animados com a chegada de estrangeiros não paravam de correr pela casa e perguntar como se fala as mais diversas palavras de nosso idioma.

Após comer empanadas e conversar com Marcos, as crianças nos mostraram a antiga casa onde seus bisavós moravam, e nos apresentaram as lhamas da família que fornecem lã e carne, e servem de transporte de carga desde a origem dos povos andinos.

Imagens: Arthur Fernandes Photos / Trilha sonora: Carnavalitos – Fortunato Ramos

O noroeste da Argentina traz uma mistura de paisagens e culturas que nos tocam de diferentes maneiras. Entre vales de montanhas coloridas, desertos, lagoas congeladas e ruínas incas, encontramos culturas aborígenes, gaúchos e folclores.

INTI RAYMI

Chegamos ao marco onde passa o trópico de Capricórnio por volta das 21 horas, logo fomos recebidos por pessoas que vieram de diferentes partes do país para presenciar a chegada do inverno e a adoração ao Sol, que despontaria somente após as 9 horas da manhã, selando a noite mais longa do ano, com cerca de 15 horas. Sentamos em torno de uma das fogueiras do lugar para fugir do frio de -5°C que acabou congelando nossas águas e mochilas.

Ao amanhecer, após uma noite banhada de longas conversas e bebidas quentes, diversas adorações foram realizadas, todos ansiosos e alegres ao receber a energia que o Sol prontamente nos traria.

Um evento rodeado de boas pessoas e montanhas bem iluminadas pela lua cheia, que se despediram somente após o sol percorrer grande parte de seu trajeto diário, dando fim ao que foi nossa celebração ao Inti Raymi.

SANTA ANA

Chego à Santa Ana depois de passar a noite em uma sala de aula ao ser acolhido pelo diretor do colégio de um povoado próximo que tem seus aproximados 300 habitantes.

 

O povoado de Santa Ana já conta com uma delegacia, igreja, posto de saúde e energia durante 4 horas por dia, aproximadamente. Conversando com moradores locais, começo a entender como funcionava o povoado antes da chegada da estrada, como trocavam produtos e trabalhos, viajavam dias caminhando ou cavalgando até chegar ao próximo ponto no mapa.


Volto para minha hospedagem, a única da região, caminhando sob um céu encoberto de estrelas, enquanto a lua se esconde deste povoado que aos poucos vem se mostrando ao mundo.

PACHAMAMA

As comemorações da Pachamama que ocorrem durante todo o mês de agosto, é uma das mais importantes de toda a cultura Inca. 

Diferentes eventos em agradecimento à Mãe Terra acontecem em todas as casas que ainda trazem um pouco desta cultura.

Chego à casa de Simón Condori em uma calma manhã ensolorada, me junto à sua família para comer e compartilhar deste evento cheio de comidas, bebidas e rituais que marcam esta cultura.

Veja mais sobre estas e outras histórias no livro

Collas: Retratos de uma Cultura.

© Arthur Fernandes Santos. Todos os direitos reservados.

arthurf.photos@gmail.com